domingo, 14 de outubro de 2007

Cantando e caracterizando uma comunidade - II

Como estou em época de passear-vos por Bruxelas (e ainda não vou acabar a volta por aqui, tenham paciência!), deixo-vos com a foto da Fundação Internacional Jacques Brel, que fica na Place de la Vieille Halle aux Blés, entre o Grand Sablon e a Grand Place, cujos fundos se destinam a financiar a luta contra o cancro, e ajudar artistas e crianças hospitalizadas.

O livro de poemas de Brel está presente no ensino secundário, tanto quanto me dizem, e quem me diz saberá do que fala.

Como no post anterior se falou dos "cochons"... aqui vai a canção (para mim uma das melhores de Brel) e a respectiva letra (em francês, pois claro, pois é assim que ela deve ser apreciada).

É para se ir lendo e ouvindo.


English subtitles

Les bourgeois

JACQUES BREL

Le cœur bien au chaud
Les yeux dans la bière
Chez la grosse Adrienne de Montalant
Avec l'ami Jojo
Et avec l'ami Pierre
On allait boire nos vingt ans
Jojo se prenait pour Voltaire
Et Pierre pour Casanova
Et moi, moi qui étais le plus fier
Moi, moi je me prenais pour moi
Et quand vers minuit passaient les notaires
Qui sortaient de l'hôtel des "Trois Faisans"
On leur montrait notre cul et nos bonnes manières
En leur chantant

Les bourgeois c'est comme les cochons
Plus ça devient vieux plus ça devient bête
Les bourgeois c'est comme les cochons
Plus ça devient vieux plus ça devient c...


Le cœur bien au chaud
Les yeux dans la bière
Chez la grosse Adrienne de Montalant
Avec l'ami Jojo
Et avec l'ami Pierre
On allait brûler nos vingt ans
Voltaire dansait comme un vicaire
Et Casanova n'osait pas
Et moi, moi qui restait le plus fier
Moi j'étais presque aussi saoul que moi
Et quand vers minuit passaient les notaires
Qui sortaient de l'hôtel des "Trois Faisans"
On leur montrait notre cul et nos bonnes manières
En leur chantant

Les bourgeois c'est comme les cochons
Plus ça devient vieux plus ça devient bête
Les bourgeois c'est comme les cochons
Plus ça devient vieux plus ça devient c...


Le cœur au repos
Les yeux bien sur terre
Au bar de l'hôtel des "Trois Faisans"
Avec maître Jojo
Et avec maître Pierre
Entre notaires on passe le temps
Jojo parle de Voltaire
Et Pierre de Casanova
Et moi, moi qui suis resté le plus fier
Moi, moi je parle encore de moi
Et c'est en sortant vers minuit Monsieur le Commissaire
Que tous les soirs de chez la Montalant
De jeunes "peigne-culs" nous montrent leur derrière
En nous chantant

Les bourgeois c'est comme les cochons
Plus ça devient vieux plus ça devient bête
Les bourgeois c'est comme les cochons
Plus ça devient vieux plus ça devient c...

20 comentários:

alfacinha disse...

adoro duass canções de Brel
quando canta sobre Flandres

Ay Marieke, Marieke
Je t'aimais tant
Entre les tours
De Bruges et Gand
Ay Marieke, Marieke
Il y a longtemps
Entre les tours
De Bruges et Gand

Zonder liefde, waarmde liefde
Wait de wind, de stomme wind
Zonder liefde warme liefde
Weent de zee, de grijze zee
Zonder liefde, warme liefde
Lijdt het licht, het donker licht
En schuurt de zand over mijn land
Mijn platte land, mijn Vlaanderenland

Ay Marieke, Marieke
Le ciel flamand
Couleur des tours
De Bruges et Gand
Ay Marieke, Marieke
Le ciel flamand
Pleure avec moi
De Bruges a Gand
e a segunda
"me ne quitte pas "cantada pela Nina Simone a interpretação é sublime

Pitucha disse...

Será que nem o Jacques Brel consegue manter a Bélgica unida?!
Beijos

Anónimo disse...

Excellent choix.
Bravo pour les paroles.
Maïca

xistosa disse...

Jacques Brel, o alentejano dos franceses, oiço-o ao pequeno almoço, almoço e jantar, quando não há ceia.

Não acrescento mais nada!

Gi disse...

Eu e as minhas confusões ...:)
Gosto muito desta também. Só podia!

Beijinhos

Gi disse...

Eu e as minhas confusões ...:)
Gosto muito desta também. Só podia!

Beijinhos

AGRIDOCE disse...

ALFACINHA,
Também conheço a canção "Marieke" e, claro, "Ne me quitte pas", entre umas quantas outras (não sei se me ficou alguma por conhecer), como "La valse a mille temps", de uma técnica de dicção que só os melhores conseguem atingir (em Portugal, Carlos do Carmo ficou muito perto na imitação desta canção), etc.
Esta que postei, para mim, para além de gostar da letra, gosto da forma muito forte que ele dá à voz e à entoação de determinadas passagens.
Para quem gosta de uma das suas canções, nem sempre pela música, ou nem sempre só pela música, dificilmente não gostas de qualquer uma das outras. Deixa de ser uma questão de gostar ou não, mas de preferir mais desta do que daquela.
Abraço
(Obrigado por ter postado uma foto minha de Tervuren no seu interessante blog. Sinal de que gostou da foto.
Embora tenha andado com muita falta de tempo para a net, visito-o sempre que posso, pois gosto de ler quase tudo o que posta e, especialmente, alguns aspectos históricos comuns à Bélgica e a Portugal que, ou já não me lembrava deles, ou não os conhecia, simplesmente. Obrigado)

AGRIDOCE disse...

PITUCHA,
Se Brel ainda andasse por cá, de carne e osso, nem consigo imaginar as letras e as canções que faria!
Bjs

AGRIDOCE disse...

MAÏCA,
Obrigado pelo comentário.
Mais alguém que comunga o gosto por Brel.

AGRIDOCE disse...

XISTOSA,
Percebo o que queres dizer.
Eu também ouço bastante a sua música, embora o tenha trazido mais por uma questão temática - Bruxelas, que estou a tentar deixar no blog. Só que não sei quando ou se vou conseguir acabar o que autoprogramei. Será aos poucos.

AGRIDOCE disse...

GI,
Com comentário em duplicado... é mesmo confusão :))))
Estava difícil deixar o comentário? Às vezes acontece, eu sei.
Foi bom fazeres a confusão, pois foi uma boa deixa para postar esta canção.
Beijos.

xistosa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
xistosa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Un complément d'information concernant cette chanson.
Brel, fils de bourgeois a lui même, dans sa jeunesse, après avoir bu, au petit matin, "montré son cul et ses bonnes manières" aux bourgeois. La fondation Brel finance la lutte contre le cancer, lui-même ayant succombé à la suite de cette maladie.
Maïca

AGRIDOCE disse...

XISTOSA,
Apaguei os teus 2 últimos comentários.
Estavam completamente desfocados do que aqui foi postado.
Peço-te desculpa, mas teve que ser.
Os temas que trazias com eles podemos debatê-los, por e-mail ou num post a eles dedicados, num dos nossos blogues - num dos teus, ou neste meu, se um dia acordar voltado para aí.
Abraço.

AGRIDOCE disse...

MAÏCA,
Obrigado pelo teu complemento de informação sobre Brel e, talvez, quase de certeza, a razão porque a sua fundação se dedica à luta contra o cancro.
Bjs

marta disse...

Do Brel, não há nada de que não goste.

Da primeira à última.
O seu último LP, foi considerado muito fraco na altura da edição.

Para mim é simplesmente fabuloso.
Penso que o Xistosa é capaz de também se lembrar dele.

xistosa disse...

Não digo que tenha sido o melhor, mas o último e não foi por isso, é mesmo fantástico.
Aliás, como tudo o que cantou.
Há vozes que felizmente quando morrer vou ouvi-las na viagem ...
Não fixo nomes de cantores e muito menos as suas canções.
Sou "surdo" de ouvido e se gosto, gosto e nunca mais esqueço.
Foi o que me sucedeu com a Souad Massi, no carro ouvia há uns bons anitos, (mais de cinco) e fiquei encantado com a voz.
Só há poucos dias e por um bambúrrio de sorte a "encontrei".

Sinapse disse...

J'adore Jacques Brel! :))

Entre as favoritas ... La Valse a Mille Temps, Mathilde ... e, favorita entre todas, Le Plat Pays (estou até a preparar um post com essa letra, pois daqui a 1 semana vou a Bruxelas e vai ser esse o post que vai marcar o momento no blog)!

Até breve!

Gi disse...

Passei para ver se havia novidades. Deixo-te um beijinho e votos de resto de um bom Domingo