terça-feira, 10 de junho de 2008

10 de Junho - Dia de Portugal

"Welcome to Planet Earth"
Credit: Apollo 17 Crew, NASA
O Infante

Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!

Fernando Pessoa

In "Mensagem"

5 comentários:

Anónimo disse...

Pergunto ao vento que passa
notícias do meu país
e o vento cala a desgraça
o vento nada me diz.

Pergunto aos rios que levam
tanto sonho à flor das águas
e os rios não me sossegam
levam sonhos deixam mágoas.

Levam sonhos deixam mágoas
ai rios do meu país
minha pátria à flor das águas
para onde vais? Ninguém diz.

Se o verde trevo desfolhas
pede notícias e diz
ao trevo de quatro folhas
que morro por meu país.

Pergunto à gente que passa
por que vai de olhos no chão.
Silêncio -- é tudo o que tem
quem vive na servidão.

Vi florir os verdes ramos
direitos e ao céu voltados.
E a quem gosta de ter amos
vi sempre os ombros curvados.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

Vi minha pátria na margem
dos rios que vão pró mar
como quem ama a viagem
mas tem sempre de ficar.

Vi navios a partir
(minha pátria à flor das águas)
vi minha pátria florir
(verdes folhas verdes mágoas).

Há quem te queira ignorada
e fale pátria em teu nome.
Eu vi-te crucificada
nos braços negros da fome.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

Ninguém diz nada de novo
se notícias vou pedindo
nas mãos vazias do povo
vi minha pátria florindo.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.

Mesmo na noite mais triste
em tempo de servidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz não.

Manuel Alegre

xistosa - (josé torres) disse...

Bem vindo ao reino dos vivos ...

Dia de Portugal e da "raça" ... mas a culpa é dos agricultores, que criaram tanta confusão com o gado.
A idade não perdoa.
Mas é, o mertolengo, o barrosã ... e está instalada a confusão das raças.
Já lhe perdoei e não sou rancoroso.

Um bom regresso!

AGRIDOCE disse...

Anónimo/a,

Lindo poema de Manuel Alegre, que já teve espaço neste blogue.

Foi bom relê-lo.

AGRIDOCE disse...

XISTOSA,

É meio regresso.

Com o preço a que estão o gasóleo e a gasolina, só viajo de vez em quando :)

Mas virei, sempre que as teclas do meu computador resolverem cá vir deixar umas palavras, ou algumas fotos.

As visitas que faço, andam à mesma velocidade, nada de estranhar.

Inté.

minucha disse...

Safa!
desta vez valeu a pena cá passar.
Dois posts? Estás doente, para escreveres tanto?

Estou a brincar e é das saudades que tenho de ti


Beijinho