quinta-feira, 9 de outubro de 2008

A outra homenagem...

... como não podia deixar de ser, hoje, vai para o CHE.

Lembro-me, vagamente, dos primeiros tempos que ele começou a nascer como mito.

Depois, do dia em começaram a correr boatos sobre a sua morte, primeiro fruto de inabilidade em campo de guerra e, por isso, acuado até à morte como se fosse um reles soldado fugitivo; depois como tendo sido "apunhalado" por balas do seu maior amigo político da Ilha de Cuba, e, mais tarde, as diversas provas de que outras ordens, de outros azimutes, sob a defesa de interesses geo-estratégicos, encomendaram esforços militares incomensuravelmente superiores à possibilidade de defesa ou fuga, até à vergonha, ou aos receios, de dar a conhecer o seu cadáver, daqueles que tinham sido incumbidos de o caçar até à morte.

Mesmo sem ter grandes inclinações para a política que defendia e pretendia alargar para diversas partes do mundo, não posso deixar de me vergar pela memória do guerrilheiro revolucionário desprendido, convicto de que lutava por ideias nobres e alcansáveis e praticáveis, que marcou gerações.

Pelo nosso mundo, durante muito tempo se ouvirá dizer:




Comandante Che Guevara

Aprendimos a quererte
desde la histórica altura
donde el sol de tu bravura
le puso cerco a la muerte

Aquí se queda la clara
la entrañable transparencia
de tu querida presencia
comandante CHE GUEVARA

Tu mano gloriosa y fuerte
sobre la historia dispara
cuando todo Santa Clara
se despierta para verte

Aquí se queda la clara
la entrañable transparencia
de tu querida presencia
comandante CHE GUEVARA

Vienes quemando la brisa
con soles de primavera
para plantar la bandera
con la luz de tu sonrisa

Aquí se queda la clara
la entrañable transparencia
de tu querida presencia
comandante CHE GUEVARA

Tu amor revolucionario
Te conduce a nueva empresa
Donde espera la firmeza
De tu brazo libertario

Aquí se queda la clara
la entrañable transparencia
de tu querida presencia
comandante CHE GUEVARA

Seguiremos adelante
Como junto a tí seguimos,
Y con Fidel te decimos:
Hasta siempre COMANDANTE.

4 comentários:

Anónimo disse...

Admiro-o pela coragem de largar tudo para lutar pelos seus ideais, mesmo que, no meu ponto de vista, tenham sido irrealistas e façam sofrer muito do povo daquela bela ilha.
Mas a música é divina!
Como é bonito este som, mais uma bela recordação.
FMA

Luís Maia disse...

Curiosa a ideia anónima que os pontos de vista do Che

façam sofrer muito do povo daquela bela ilha

fico com a ideia que a vida daquele povo no tempo do Baptista era um encanto

xistosa - (josé torres) disse...

Quando se luta por ideais que aos outros anónimos, têm que ser anónimos, está tudo dito sobre esses que não ousam dar a cara.
O bordel que Fulgencio Batista desgovernou a seu bel-prazer é que foi um mar de rosas para os anónimos !!!!

Anónimo disse...

Luís Maia e Xistoso

Com todo o respeito que me merecem, devo dizer que assinei a mensagem, apenas estou como anónima porque não entrei como blogger.
Respeito e sempre respeitarei todas as ideias, como espero e desejo que respeitem as minhas.
O meu comentário não foi feito a nível político, até porque a esse nível, faz tempo, que deixei de respeitar qualquer ideologia, embora acredite que o comunismo é uma das que menos respeite.
Como devem ter reparado, salientei que admiro todos os que lutam pelos seus ideais, sejam eles quais forem.
Mas conheci pessoalmente, o sofrimento do povo de Cuba. Conheci a sua agonia pelas condições em que vivem, pela falta de liberdade que têm. Quem conheça Cuba, sabe do que falo.
E a liberdade é o nosso bem mais precioso.
Quanto à pergunta se o povo vivia melhor em Cuba antes da revolução, apenas saliento dados que são publicos e que podem confirmar:

- Em 1958, Cuba era o 3º país da América Latina com maior solidez monetária, só ficando atrás da Venezuela e do Brasil;
- Tinha a inflacção mais baixa da América Latina (1,4%);
- Ocupava o 4º lugar a nível de condições remuneratórias (1º Gra Bretanha, 2º EUA, 3º Canada, 4º Cuba..);
- Era o 4º maior criador de gado da america latina;
- Era º 1º na produção de Cobalto, o 2º de Niquel, o 8º em Magnésio;
- Tinha 97 hospitais, 21.141 camas;
- Ocupava o 5º lugar da América Latina em número de estudantes universitários;
-Tinha 1 Km de via férrea por cada 8,08 Km2;
- O salário pago aos trabalhadores agrídolas era o 7º melhor a nível mundial e ao sector industrial era o 7ª;
- Desde 1933 os trabalhadores gozavam de jornadas de trabalho de 8 horas por dia - 44 horas semana e pagavam-lhes 48 horas;
- Tinham direito a um mês de descanso retribuído, a cada 11 meses de trabalho;
- Em 1955 os trabalhadores dos transportes, adquiriram o direito a jornadas de 6 horas com pagamento de 8 horas;
- Durante os meses de Junho, Julho e Agosto, por lei, o comercio fechava às 13h, às 3ª e 5ª para que os trabalhadores disfrutassem das praias que então eram abertas ao povo.

Não me interessam ideologias políticas, mas sejam elas quais forem devem ser respeitadas, por isso respeito a opinião dos senhores e, exijo que respeitem a minha.

Continuo a aparecer como anónima, espero que não fiquem demasiado perturbados mas assino-me como,

FMA