sexta-feira, 28 de setembro de 2007

3 rapidinhas - terceira.

O Banco Munidal e as Nações Unidas lançaram uma Iniciativa, publicada no Relatório StAR (Recuperação de Activos Roubados), cujo objectivo é recuperar o produto de diversas actividades criminosas, como a corrupção, a contrafacção, o tráfico de drogas, o branqueamento de capitais, as fraudes fiscais, etc., cujos epicentros se situam em países economicamente menos desenvolvidos, no topo dos quais se elencam países como o Iraque, a Somália, Myanmar (Birmânia), ... .


Uma outra organização internacional (TI) recebeu positivamente aquela iniciativa, esclarecendo o problema actualmente existente: grandes praças financeiras de países ricos dão cobertura às massivas transferências de activos de países pobres, sem olhar à proveniência dos mesmos.
Acusa-os mesmo de responsabilidade em toda a trama, dificultando o repatriamento desses activos às origens.


Isto é, só existem actividades ilícitas a tão elevado nível nos países mais pobres, porque "alguém apara o golpe" nas praças financeiras dos países mais ricos.


Dito em português de ciência feita no tempo:


"TÃO LADRÃO É O QUE VAI À HORTA COMO O QUE FICA À PORTA".

2 comentários:

xistosa disse...

Sempre há receptores ou receptadores e isto é recerto.

Sem estes parasitas, os ladrões seriam meninos do coro.

AGRIDOCE disse...

XISTOSA,
São valores com tantos zeros, tanto faz serem da direita como da esquerda, que até se fica a deitar fumo da massa cinzenta, só de tentar compreender como serão, se transformados em notas de quinhentos.